O que desestimula a participação da audiência no jornalismo?

Pesquisadores da Holanda publicaram um artigo com os resultados de uma pesquisa sobre a participação da audiência no jornalismo. Eles analisaram os motivos que desestimulam a participação da audiência. O artigo “Be cautious or be cancelled: News audience’s motivations not to participate in online journalism” apresenta as conclusões baseadas em entrevistas semi-estruturadas com oito pessoas abaixo de 30 anos e oito pessoas acima de 50 anos na Holanda. Acesse a íntegra do artigo.

Por que o engajamento é importante? Os pesquisadores reforçam que a participação da audiência auxilia a empresa jornalística a melhorar a qualidade da notícia, aumentar a lealdade de sua audiência e se manter relevante e economicamente viável.

Como eles classificam a participação no jornalismo? Uma das contribuições do estudo é uma listagem bem completa das formas de participação, que os autores dividem em quatro níveis, de acordo com o esforço necessário para a participação:

Consumo ativo: Interpretar e debater com conhecidos, familiares e amigos

Participação casual: compartilhar notícias, responder pesquisas e comentar nas notícias online.

Nível alto de participação: oferecer feedback detalhado e fornecer imagens, informações ou ideias para notícias, atendendo pedido dos jornalistas.

Cocriação: produzir notícias com jornalistas ou produzir notícias independentes para publicação em veículos profissionais.

O que desestimula a participação da audiência no jornalismo?

Os autores agruparam as motivações apontadas pelos entrevistados para a não participação. Foram definidas cinco categorias, de acordo com o fator determinante que desestimula a participação. Conheça os fatores que desencorajam a participação, em ordem de importância.

Outros usuários – atitudes negativas na comunidade online

Os entrevistados se sentem vulneráveis e têm a percepção de que a internet não é um espaço seguro para a interação. Os relatos apontam o desconforto com a possibilidade de reações hostis, com a cultura do cancelamento e com polarização. Os usuários também se mostram desmotivados pela falta de qualidade no debate e citam a abundância de comentários com opiniões infundadas ou sem conteúdo. Mencionam, ainda, que o formato desenvolvido para a interação nos comentários ou outras ações não oferece oportunidade de contexto ou de conhecimento das experiências pessoais que levam àquelas ações e comentários. Por último, os entrevistados citam o fato de não terem algo diferente a acrescentar às opiniões já expressadas por outros.

Plataforma – perda de privacidade e permanência das contribuições

Os usuários demonstram duas grandes preocupações. A primeira é com a falta de privacidade. Esse temor refere-se tanto ao uso de suas informações privadas, – se são entregues a terceiros e com que objetivo -, quanto ao uso fora de contexto de suas contribuições em outras publicações. A segunda é a preocupação com a permanência do que é publicado na internet. Esse ponto aparece principalmente entre os entrevistados jovens. Daqui a alguns anos eles podem ter opiniões diversas das expressadas em publicações que fizeram quando eram mais jovens.

Pessoal – Controle de imagem e outras prioridades

Os pesquisadores indicam que o zelo com a carreira também influencia a falta de participação. Entrevistados, nas duas faixas etárias, afirmaram que não se dedicam à participação por falta de tempo e priorização de outras atividades. Entre os usuários com mais de 50 anos a ênfase é no trabalho e entre os usuários com menos de 30 anos, na busca por uma carreira, com estudo e trabalho. Ainda pensando na carreira, as duas faixas etárias se mostram apreensivas com o controle da sua imagem e as consequências que as contribuições na internet podem ter na vida profissional.

Conteúdo – falta de habilidades profissionais

Ambas as faixas etárias entendem que não têm as habilidades necessárias para contribuir com o trabalho de jornalistas profissionais. Os mais novos porque consideram não ter conhecimento o suficiente ou opiniões bem formadas, enquanto os mais velhos entendem que o produto jornalístico é resultado de uma expertise. Que o jornalismo é produzido por profissionais com certas habilidades e que os usuários não teriam com o que contribuir por não as possuírem. Porém, os usuários não destacaram questões relacionadas à falta de habilidade com a tecnologia.

Organização – não convidados ou rejeitados

Os pesquisadores descobriram o engajamento entre os mais de 50 anos depende também da demonstração de interesse de jornalistas e empresas na participação da audiência. Os entrevistados não se sentem convidados a interagir e quando participam é uma via de mão única. A falta de reciprocidade, de um retorno ou diálogo, desestimula o usuário.

Interessado em saber mais sobre jornalismo participativo?

Outros posts

04

jun
Inteligência Competitiva e de Mercado, Inteligência descomplicada, Tendências, Todos os temas

De olho nas tendências e oportunidades na cadeia de suprimentos

É preciso olhar além do óbvio quando se analisa o impacto das tendências de mercado na cadeia de suprimentos. Esse tipo de análise pode revelar oportunidades e riscos que de outra maneira passariam despercebidos

quais devem ser as ações da empresa na gestão de uma crise

25

abr
Audiência, Audiência, Comunicação, Comunicação organizacional, Consumidor, Gerenciamento de crise, Marketing

O que a Kellogg’s não fez para evitar a crise e o boicote nos EUA?

Atualmente a Kellogg’s é alvo de uma campanha de boicote dos seus produtos nos Estados Unidos. Tudo começou com uma entrevista do CEO que gerou muitas críticas. Sem uma resposta adequada da empresa, que ignorou as reações, a fala do CEO resultou em uma crise. Boa oportunidade para analisarmos quais deveriam ser as ações da Kellogg’s na gestão da crise.