Em quais mídias sociais as empresas estão investindo

Em quais mídias sociais as empresas estão investindo e esperam mais retorno

O LinkedIn aparece como a mídia social em que os gestores de marketing têm mais confiança de retorno do investimento. Esse é um dos dados apresentados pela pesquisa Social Trends de 2024, da Hootsuite. A pesquisa, realizada em 118 países, compilou alguns outros dados bem interessantes.

Enquanto LinkedIn aparece com 70% no índice de confiança do retorno de investimento pelos gestores de marketing, Instagram está em segundo, com 68%. Em seguida vêm WhatsApp com 66%, Facebook com 62%, BeReal 60%, YouTube 52% e TikTok 50%.

A posição ocupada por LinkedIn e WhatsApp em relação ao TikTok, é uma surpresa quando pensamos na visibilidade que é dada a campanhas e força de vendas do TikTok.

Porém, outro dado da pesquisa deve ser acrescentado nessa análise. Quando se trata da presença das organizações nas mídias sociais, a liderança é do Facebook, com 91%. Instagram vem logo atrás, com 86%, e na sequência aparecem LinkedIn (80%), X (66%), YouTube (62%), TikTok (29%) e WhatsApp, com apenas 5%.

E quando perguntados a quais mídias sociais aderiram de 2022 para 2023, o TikTok (16%), o LinkedIn (5%) e o Instagram (1%) aparecem entre as plataformas que foram adotadas. Por outro lado, 1% das empresas deixaram de publicar no Facebook, 7% no X, 11% no Pinterest e 18% no WhatsApp.

Que análises podemos tirar desses dados?

O Instagram continua com força, com muitas empresas presentes e outras aderindo. E com um índice de confiança abaixo somente do LinkedIn

No LinkedIn, o número de empresas presentes está crescendo e com confiança de retorno. A quantidade de empresas presentes só não é maior porque as características da mídia social dificultam a estratégia de muitos negócios B2C

O Facebook é o que tem presença de mais empresas e ainda mantém um bom índice de confiança. Mas com 1% de desistência, já começa a refletir nos números o que se observa no mercado. Há um certo cansaço com relação à plataforma, que perde audiência para outras mídias. Dependendo das atualizações a serem introduzidas pela Meta, os números devem cair ainda mais. Muitas empresas estão no Facebook somente porque já tinham uma estratégia, o que não demanda tanto investimento. Mas com a exigência de estar em várias mídias sociais os gestores de marketing começam a reavaliar como investir seus esforços. A tendência é de mudança de comportamento no marketing.  O padrão era estar presente em várias mídias sociais. Agora os gestores têm mais informação para focar nas plataformas que trazem maior retorno.

Os cases de sucesso no TikTok continuam levando novas empresas para a plataforma, que já tem uma boa presença. Porém o índice de confiança está em apenas 50%. Já o YouTube aparece com mais presença e maior confiança do que o TikTok. Em ambos os casos a maior dificuldade é produzir publicações que gerem conexão com a audiência.

Os números do WhatsApp também nos fornecem insights bem interessantes. É o terceiro em confiança, com 66%. Contrastando com esse número está a porcentagem de empresas que estão presentes na mídia, somente 5%. É também a plataforma com maior índice de saída das empresas, 18%. Apesar da força dessa mídia no Brasil ela ainda é pouco utilizada no restante do mundo e pouco explorada pelo marketing. As empresas ainda estão descobrindo e testando formas de atuar na plataforma. Mas essa mídia difere das outras pela conexão que oferece com a audiência. As empresas que conseguem estabelecer essa conexão têm confiança no resultado.

Segue o link para os que quiserem ver os números de outras mídias sociais e se aprofundar nos dados e recomendações do relatório da Hootsuite.


Relevância é a palavra que deve nortear os esforços de marketing nas mídias sociais

Relevância é a palavra que deve nortear os

esforços de marketing nas mídias sociais

Outros posts

04

jun
Inteligência Competitiva e de Mercado, Inteligência descomplicada, Tendências, Todos os temas

De olho nas tendências e oportunidades na cadeia de suprimentos

É preciso olhar além do óbvio quando se analisa o impacto das tendências de mercado na cadeia de suprimentos. Esse tipo de análise pode revelar oportunidades e riscos que de outra maneira passariam despercebidos

quais devem ser as ações da empresa na gestão de uma crise

25

abr
Audiência, Audiência, Comunicação, Comunicação organizacional, Consumidor, Gerenciamento de crise, Marketing

O que a Kellogg’s não fez para evitar a crise e o boicote nos EUA?

Atualmente a Kellogg’s é alvo de uma campanha de boicote dos seus produtos nos Estados Unidos. Tudo começou com uma entrevista do CEO que gerou muitas críticas. Sem uma resposta adequada da empresa, que ignorou as reações, a fala do CEO resultou em uma crise. Boa oportunidade para analisarmos quais deveriam ser as ações da Kellogg’s na gestão da crise.