Para comunicar você precisa perceber a realidade do seu público

Como conectar-se com o público é uma das grandes questões atuais no jornalismo e no marketing. O jornalismo busca redefinir essa conexão em uma realidade completamente diferente da que sustentou a indústria da comunicação por anos. O marketing também se adapta às novas tecnologias. Para isso busca conhecer melhor seu possível cliente e estabelecer estratégias para atraí-lo, adequando o tom e a mensagem.

Historicamente, tanto no jornalismo quanto no marketing a comunicação era padrão e mirava em uma multidão desconhecida. Atualmente temos ferramentas que nos permitem identificar rostos, características e necessidades de nosso público. A teoria da cauda longa nos mostrou que um único discurso não serve para todos. Que temos nichos e oportunidades a explorar.

A comunicação deve representar a diversidade de seu público

Quando queremos nos conectar ao outro nada melhor do que escutá-lo. E é essa possibilidade que o Reuters Institute for the Study of Journalism nos dá ao publicar a pesquisa “News for the powerful and privileged: how misrepresentation and underrepresentation of disadvantaged communities undermine their trust in news”.

A pesquisa qualitativa, realizada com 41 focus groups, engloba Brasil, Índia, Reino Unido e Estados Unidos. A análise dos resultados reflete a desconfiança, a falta de representação e a desconexão entre as notícias e a necessidade de informação das pessoas ouvidas na pesquisa.

Acesse o texto com as principais conclusões dos pesquisadores e também a íntegra da pesquisa.

Muitas das observações feitas pelos pesquisadores já são conhecidas, o que não invalida uma leitura detalhada dos resultados. Um ponto, porém, me chamou a atenção: a percepção de que o jornalista tenta realizar um bom trabalho e é limitado pelas restrições da estrutura da organização.

Entendo que esse é um ponto chave porque as empresas tradicionais de comunicação mantêm equipes extremamente enxutas apostando cada vez mais em material requentado das mídias sociais, contribuições da sua audiência e material produzido por assessorias de imprensa. Como é possível o jornalista conhecer diferentes realidades se ele não vai mais para a rua produzir suas notícias? Como trazer diversidade às notícias se elas são cada vez mais pautadas pelo número de visualizações e compartilhamentos? E como as assessorias de imprensa têm atuado para atender esses grupos que se encontram à margem da informação?

Apesar de a pesquisa focar no jornalismo produzido pela mídia tradicional, tanto as áreas de comunicação organizacional quanto de marketing podem aprender muito com os resultados apresentados. Basta se fazer algumas perguntas. Em sua empresa as informações produzidas são de interesse de diversos públicos? As publicações, sejam notícias ou peças publicitárias, estão baseadas na realidade do seu público ou em uma leitura da realidade moldada à distância? Os diferentes públicos se sentem representados nas publicações de sua empresa? São muitos os ensinamentos que podemos aproveitar para fazer ajustes que ampliem ao mesmo tempo a informação para a sociedade e o alcance de sua marca.

Outros posts

Em 2024 os consumidores dedicarão seu tempo ao que for relevante para suas vidas

26

fev
Audiência, Comunicação, Jornalismo, Marketing

Como a necessidade de ser relevante vai mudar o marketing e o jornalismo?

Se for para resumir em uma palavra a tendência para o marketing e a comunicação neste ano eu escolheria “relevância”. Em 2024 ser relevante será um ponto chave para o marketing, a comunicação e o jornalismo. A questão é como alcançar essa almejada relevância.

decisões de marketing e comunicação

15

dez
Comunicação, Comunicação organizacional, Marketing, Todos os temas

Sobre decoração natalina e decisões de marketing e comunicação

Em grandes empresas ou pequenos negócios as decisões de marketing e comunicação seguem alguns princípios básicos. Na semana passada conversei casualmente com um gestor de um pequeno negócio do meu bairro sobre a colocação de uma mangueira decorativa para o Natal. Apesar de ser uma decisão simples, é perfeita para lembrar dicas básicas sobre quaisquer decisões em marketing e comunicação.