Inteligência Competitiva: dando os primeiros passos

A primeira etapa do processo de Inteligência Competitiva (IC) é descobrir o que a empresa precisa saber. Para isso, desenvolve-se um diagrama chamado, na metodologia adotada pela Link Estratégia, de Necessidades de Inteligência.

Esse diagrama é composto pelas dúvidas que a empresa tem a respeito do seu ambiente de negócios, indo desde tecnologias e tendências futuras até o comportamento atual dos clientes e concorrentes. Nada que seja relevante para o futuro do negócio pode ficar de fora.

Ouvindo os decisores

Para criar esse mapa das necessidades informacionais da empresa, a equipe da Link realiza um seminário com os principais decisores – as pessoas que consumirão internamente as análises e relatórios de Inteligência. Normalmente, eventos assim tomam um dia inteiro, ou no caso de setores mais complexos, até mais de um dia de trabalho. Em grupos, os tomadores de decisão vão indicar, sob a orientação dos analistas da Link, que assuntos são relevantes para a empresa e que dúvidas existem a respeito de cada um.

Esse processo é baseado no método de identificação de necessidades de Inteligência criado por Jan Herring. Em seu artigo (em inglês), Herring chamou esses temas de Key Intelligence Topics (KITs).

Passado o evento, os analistas organizam o diagrama e associam a cada tópico e questão levantada pelo grupo decisor as principais fontes de informação, sugestões de técnicas de análise e tipos de produtos que atenderão as demandas informacionais da empresa.

O resultado é um conjunto de planilhas e diagramas que são entregues à área de Inteligência da empresa, para que possa qualificar seus produtos e atender de maneira mais eficaz e eficiente as necessidades de informação dos tomadores de decisão.

Método ajuda na organização da área de Inteligência

Esse tipo de consultoria serve para ajustar os processos e atividades de uma função de Inteligência já existente ou ainda para dar os primeiros passos na criação de um departamento ou núcleo de IC interno.

Em alguns casos, o diagrama é aplicado na contratação de serviços de outsourcing de Inteligência e monitoramento de mercado, serviços que a Link também realiza.

Regra de ouro: quanto antes uma função de IC começar a dar resultados, melhor para todos os envolvidos.

Quando atua no suporte a criação de departamento, núcleo ou equipe de IC, a Link foca na obtenção de resultados. Usando metodologia comprovada e testada – ainda que flexível e adaptável às necessidades da empresa cliente – o processo de implantação é mais rápido, a escolha de ferramentas, métodos de coleta e técnicas de análise, mais transparente.

Usualmente, este modelo de consultoria começa com diagnóstico e diálogo com os envolvidos na demanda por Inteligência. A partir daí, avança para a identificação das necessidades de inteligência, definição de processos para coleta e monitoramento de informação, seleção de ferramentas computacionais e técnicas de análise, orientação na elaboração de produtos de Inteligência e sua disseminação e, por fim, orientação na análise e acompanhamento dos resultados.

Outros posts

Em quais mídias sociais as empresas estão investindo

13

jun
Audiência, Consumidor, Marketing, Tendências

Em quais mídias sociais as empresas estão investindo e esperam mais retorno

As pesquisas são ótimas fontes para acompanhar os movimentos de mercado. E o relatório Social Trends de 2024, da Hootsuite, nos oferece insights sobre o comportamento do mercado no uso das mídias sociais. Para isso vamos ver como está a adesão das empresas às mídias sociais e em quais os gestores têm mais confiança no retorno do investimento.

04

jun
Inteligência Competitiva e de Mercado, Inteligência descomplicada, Tendências, Todos os temas

De olho nas tendências e oportunidades na cadeia de suprimentos

É preciso olhar além do óbvio quando se analisa o impacto das tendências de mercado na cadeia de suprimentos. Esse tipo de análise pode revelar oportunidades e riscos que de outra maneira passariam despercebidos